sexta-feira, 29 de maio de 2015

HNW - Harsh Noise Wall - ou assistindo a tinta secar como forma de arte.





Harsh Noise Wall (ou HNW) é provavelmente o gênero mais difamado de todos os gêneros do noise (até mesmo por fãs de ruído): geralmente preza pela simplicidade e homogeneidade (Tanto no interior das músicas bem como na totalidade do gênero) Apesar disso, o HNW é um dos mais recompensadores de todos os gêneros; transe indutivo, indução de enxaquecas, implosão de pensamentos e auto-degradação, HNW tem a capacidade de evocar uma ampla gama de sentimentos e emoções (do ódio à aversão até chegarmos na felicidade pura). 


1
The Cherry Point
Night of the Bloody Tapes

HNW é um gênero que vive de uma pequena gama de características musicais, principalmente se formos pensar que o gênero conta com texturas e mudanças sutis dentro de ruídos estáticos, deixando pouco espaço para grandes variações. O Cherry Point, no entanto, fornece algumas variações com seus paredões sonoros (relativamente falando) não existindo a rigidez sonora (como Vomir...). Isto torna este trabalho em especial, um dos melhores ponto de partida para quem quer entrar no mundo do HNW, não é alienante como muitas outras obras do gênero. Vale notar que o tamanho das faixas são menores, duram cerca de 10 minutos, em vez de meia hora ou intermináveis músicas de outros projetos. Assim, este disco oferece uma agradável entrada para um gênero que em outros projetos é impenetrável. 
2

Vomir and Tanner Garza

Give Up The Ghost

Vomir é provavelmente "o Cara" de todo o espectro HNW, criando paredes que transportam pouca (quase imperceptível) variação; esta, é quase nula em longas faixas (geralmente vinte minutos ou mais). Este trabalho realizado com o artista "tape-loopster" Tanner Garza e é provavelmente o mais digerível, o som das fitas aqui agem sutilmente entre as mascaras sonoras sobrepostas por Vomir (nomeadamente um de seus sons mais suaves, quase uma reminiscência de uma uma cachoeira ao invés de seis milhões de edifícios sendo explodidos ao mesmo tempo) mas ainda é detectável algumas variações nas extremidades. Mais uma vez, esta parede sonora é razoavelmente curta, tornando um tipo de ruído de fundo para os loops. Enfim, um senso de fortalecimento existe e é notável (uma sensação bastante singular dentro do HNW) tornando o trabalho uma porta de entrada para os iniciantes. 
3

Goat (USA)

Goat's Holy Mountain

Goat oferece aqui uma imensa parede sonora (durante os longos 53 minutos) ainda com agradáveis quantidades de variação sem comprometer a rigidez que o gênero é conhecido. Para os ouvintes que prestarem atenção encontrarão ocasionalmente sons de cabos sendo trocados entre a parede sonora que segue (não há muito de pós-produção quando se trata de HNW) dando a ela uma sensação humana. Grandioso para relaxamento (quem não adora relaxar ao som de milhares de edifícios sendo derrubados de uma vez), embora longe de ser tão acessível como os dois discos anteriores. 
4

Alo Girl

Gently Before She Dies

Outro trabalho razoavelmente de "easy-listening" dentro do HNW, lembrando uma longa viagem ao longo de estradas esburacadas enquanto você está deitado em uma cama escutando o som da chuva...Claro que pode ser sem rumo, mas este sem rumo pode cair facilmente numa simulação de música ambiente. Disco bastante sucinto, com duas faixas de 15 minutos. 30 minutos que desaparecem num piscar de olhos. 
5

Werewolf Jerusalem

Music for Mass Radio

Simplesmente um monstro do HNW (não exatamente como os cativeiros criados por Vomir em suas intermináveis obras de várias horas) também conhecido como Richard Ramirez. Provavelmente o ideal para mim dentro do HNW, com boas variações entre as faixas e com durações perfeitas (entre 25 e 30 minutos por som). Áspero para caralho, mas ótimo para ouvir dentro do HNW. Para quem gosta de Harsh Noise mas não HNW, verifique este disco maravilhoso, você escutará uma obra-prima do gênero; Deus se matou e não se arrependeu....sim!!
6

Infirmary

Moira

A doçura dentro do HNW com mesclas de gravações de campo, paredes sonoras que caem de repente criando aquela sensação de êxtase. Trinta minutos de duração e baixos pitchs, desmoronações finais e agradáveis baixos dentro da parede sonora, muito divertido para os amantes de HNW. Não contém a rigidez, mas ainda assim é bom e crocante. 
7

The Rita

Sea Wolf Leviathan

Duas paredes sonoras cheias de intensidade e raiva vindas dos maestros do HNW que expelem para fora deliciosas camadas sob camadas. The Rita é caracterizado por um monte de texturas e grande variação de mudança sutil. Meticulosamente trabalhado, estas duas faixas são odiosas,  barulhentas e fudidamente profanas...Ambas contém 30 minutos de duração e ainda contém a lenda da Eletrônica de Potência/Harsh Noise Mania envolvida. Essencial para os Veteranos HNW, mas provavelmente dispensável para quem é novo no gênero.
8

Vomir

Renonce

Ahhh Vomir.... O mais caluniado de todos os artistas HNW, inventando paredes sonoras que não mudam porra nenhuma, mesmo assim seus trabalhos são sempre extremamente texturizados prontos para destruir seus tímpanos, e é por isso que amamos tanto. Devido a essa natureza estática permitindo quase ou nenhuma fuga para uma repetição entre os tocadores. Se você ainda não conhece este "cara" é digno de nota suas performances ao vivo, cheias de excentricidade em que ele coloca um saco plástico em sua cabeça e vaga cambaleante enquanto ruídos explodem entre o público...impagável. Certamente não é para as orelhas frágeis. isso é um privilégio para quem escuta HNW, este disco torna o gênero uma conclusão lógica. 
9

Mo*Te

Life in a Peaceful New World

Um dinâmico HNW (heheh) que arrebenta tudo no caminho. Implacável e com uma grande quantidade de variação. Tornando este disco uma fronteira entre HNW e Harsh Noise. No entanto, mantém qualidades e subjetividades do HNW, tornando assim uma ponte entre aqueles que desejam migrar do Harsh Noise para o HNW. 
10

Dante Augustus Scarlatti

Recylcled HNW

Maravilhosas texturas de paredes sonoras com ligas no "droney" (não é surpresa que este cara seja um especialista nesse gênero) oriundo do DAS que é um tipo de noise/drone estranho. 59 minutos  de paredes sonoras finas, torradas, que provavelmente têm poucas derivações, é provavelmente a finesse do HNW. 
11

Vice Wears Black Hose

Part 4

The Rita em split com Werewolf Jerusalem = deliciosas e fudidas paredes sonoras para toda a família desfrutar. Estou falando sério, uma das melhores colaborações dentro do gênero, um presente para o HNW. Carregado de texturas e poucas variações, o que mais você quer dentro do HNW?



Brasil: um complemento. 

Felizmente este gênero não passa batido entre os combatentes brasileiros com o objetivo de estragar tudo. Existem lançamentos essenciais no país publicados pelo selo Meia Vida e Armarinho do Noise/Dissonance From Hell. 
O selo Meia Vida lançou um trabalho do Vomir poucos anos atrás e o God Pussy fez um split com Richard Ramirez. 
Evidentemente a música de ruído no Brasil explora várias vertentes ao mesmo tempo, mas talvez você encontre trabalhos magníficos nos dois selos supracitados. 
O Gustavo (co-fundador do Meia Vida) tem várias conexões íntimas com este tipo de música e junto com Aline Vieira (outra cabeça na criação do selo)  fizeram alguns trabalhos que encontram-se no  HNW, mesmo não sendo o foco deles. 
O mesmo pode se dizer do Jhones Silva (God Pussy) que tem uma quantidade indeterminada de lançamentos e nesta montanha de discos existe algo de HNW e bastante Harsh Noise.. 


3 comentários:

  1. HNW (Brazil)

    https://agnosimusic.bandcamp.com/

    ResponderExcluir
  2. Valmir HNW Brazil

    http://valmir-hnw.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir